Olá

Bem vindo ao Coisas da Alma!

Despretensiosamente levando um pouco de espiritualidade ao mundo!

Conheça o http://aalmadascoisas-annapon.blogspot.com/, blog parceiro do Coisas da Alma.

domingo, 3 de outubro de 2010

Lições de Nosso Lar


Nota: 
A colônia Nosso Lar, por situar-se no Umbral, necessita da muralha que a protege das investidas dos espíritos vingativos, ou temporariamente arraigados no mal. A Colônia se encontra no último nível Umbralino, acima dela é que estão as colônias onde os espíritos gozam de maior harmonia, liberdade e paz.
Annapon


As lições que nos trouxe 


o livro “Nosso Lar”

O Consolador ( editorial)


 Revista Semanal de Divulgação Espírita
 Veja em http://www.oconsolador.com.br/ano4/171/especial2.html a reportagem sobre os melhores livros espíritas do século 20, publicada na edição 171 desta revista.




Poucas pessoas compreenderam de imediato o objetivo que levou ao preparo e posterior publicação do livro “Nosso Lar”, que constitui o fundamento do filme de igual nome que vem alcançando, desde o início do mês, grande sucesso nas telas dos cinemas brasileiros.
O livro, é bom que lembremos, surgiu no início de 1944, quando Chico Xavier não havia completado 34 anos de idade e não era, como é fácil de entender, uma unanimidade em nosso País, fato que só seria alcançado na década de 1970, com o sucesso do célebre programa Pinga-Fogo na TV.
Os anos passaram, surgiram novas obras que complementaram as informações contidas no livro e, como os espíritas bem sabem, “Nosso Lar” acabou sendo escolhido em pesquisa realizada pelas Organizações Candeia como o mais importante livro espírita do século 20. (1)
O motivo principal dessa escolha, segundo revelado na época pela instituição que realizou a pesquisa, se deve ao fato de ter “Nosso Lar” apresentado a primeira grande descrição do plano espiritual que influenciaria, de maneira decisiva, os estudos e as pesquisas espíritas aqui e no exterior, especialmente no que diz respeito à mediunidade e aos processos obsessivos.
Suas lições não se resumem, porém, a esses aspectos, como ressaltado por Emmanuel e pelo próprio André Luiz nos textos de abertura do livro.
Em seu prefácio, escreveu Emmanuel: “Reconhecemos que este livro não é único. Outras entidades já comentaram as condições da vida, além-túmulo... Entretanto, de há muito desejamos trazer ao nosso círculo espiritual alguém que possa transmitir a outrem o valor da experiência própria, com todos os detalhes possíveis à legítima compreensão da ordem que preside o esforço dos desencarnados laboriosos e bem-intencionados, nas esferas invisíveis ao olhar humano, embora intimamente ligadas ao planeta”. 
Mais diante, Emmanuel adverte: “O Espiritismo ganha expressão numérica. Milhares de criaturas interessam-se pelos seus trabalhos, modalidades, experiências. Nesse campo imenso de novidades, todavia, não deve o homem descurar de si mesmo. Não basta investigar fenômenos, aderir verbalmente, melhorar a estatística, doutrinar consciências alheias, fazer proselitismo e conquistar favores da opinião, por mais respeitável que seja, no plano físico. É indispensável cogitar do conhecimento de nossos infinitos potenciais, aplicando-os, por nossa vez, nos serviços do bem”. 
De acordo com as palavras daquele que coordenou a obra mediúnica de Chico Xavier, André Luiz veio nos dizer que a maior surpresa da morte carnal é a de nos colocar face a face com própria consciência, onde edificamos o céu, estacionamos no purgatório ou nos precipitamos no abismo infernal. E que não basta à criatura apegar-se à existência humana, mas é preciso saber aproveitá-la dignamente, visto que os passos do cristão, em qualquer escola religiosa, devem dirigir-se verdadeiramente ao Cristo, e que “em nosso campo doutrinário, precisamos, em verdade, do Espiritismo e do Espiritualismo, mas muito mais de Espiritualidade”.
Da introdução assinada por André, destacamos as seguintes e sábias palavras, que deveríamos ter sempre em mente na condução dos nossos passos na atual existência:
“Uma existência é um ato.
Um corpo - uma veste.
Um século - um dia.
Um serviço - uma experiência.
Um triunfo - uma aquisição.
Uma morte - um sopro renovador.

Quantas existências, quantos corpos, quantos séculos, quantos serviços, quantos triunfos, quantas mortes necessitamos ainda?”.



O Consolador ( editorial)


 Revista Semanal de Divulgação Espírita
(1) Veja em http://www.oconsolador.com.br/ano4/171/especial2.html a reportagem sobre os melhores livros espíritas do século 20, publicada na edição 171 desta revista.

 -


Um comentário:

  1. Parabens ! pelo belo trabalho. E bonito de se ver as pessoas que buscam sempre em apreender, e compartilham com os seus irmaos o apreendizado. Lindop Post de Seu Ze.

    ResponderExcluir

linkwithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Arquivo do blog

Pesquisar este blog

Seguidores